Um bate-papo com Rita Comparato sobre moda autoral e o tão esperado Brasil do futuro

Os anos 2000 não teriam sido os mesmos sem a Neon, marca que colocou em cena dois personagens de personalidade marcante e talento idem: Rita Comparato e Dudu Bertholini. Casa de Criadores entrevistou a modelista e estilista sobre assuntos como a moda nos tempos atuais, novas tecnologias na formação das identidades e moda basileira. Direta ao ponto, Rita mostra que o caminho é mesclar personalidade com visão de mercado. Vamos lá?

Casa de Criadores – Na sua opinião, o que mudou na moda quando você começou com a Neon no começo dos anos 2000 para os dias de hoje?
Rita Comparato – Tudo muda o tempo inteiro e com a tecnologia está tudo mais rápido. O mundo precisa de novidade o tempo inteiro e duas coleções por ano não dão mais conta, fica espassado e repetitivo. Fora a crise econômica que vivemos, que atinge o mercado do começo ao fim, desde a matéria prima ao consumidor final. Não permite mais erros no produto, ele precisa ser certeiro tanto no design quanto no preço.

Casa de Criadores – Qual o principal papel de um modelista em uma coleção? O Brasil dá o valor necessário para a profissão?
Rita Comparato – Para mim o modelista é o arquiteto da roupa. Sem ele a roupa se torna apenas um croqui. Fora ser um arquiteto, o modelista ainda funciona como um cirurgião plástico, empina o bumbum, levanta os peitos, alonga e dá toda a proporção e harmonia que uma roupa deve ter. Sem um bom modelista há pouca chance de se ter um bom produto. Infelizmente acho que se dá pouco valor ao modelista no Brasil.

rita-nota-1

Casa de Criadores – Como as novas tecnologias podem ajudar na constução da identidade de uma marca?
Rita Comparato – Elas ajudam demais. A marca consegue se comunicar com o público muito mais vasto e com quase nenhum custo. Por isso possibilita tanto a entrada de pequenas marcas no mercado.

Casa de Criadores – Quando alguém te fala que quer ser estilista, quais os conselhos que dá?
Rita Comparato – Não gastar mais do que entra, manter a estrutura a mais enxuta possível, ter um produto que não concorra (design x preço) e amar, amar muito o que faz!!!

Casa de Criadores – Para qual direção a moda está apontando neste momento?
Rita Comparato – Acho que está voltando mais seu olhar para o cliente final. Estamos vivendo uma época de conscientização ambiental, econômica e não é hora de exagero. São produtos mais certeiros, mas também menos emocionantes.

Casa de Criadores – O Brasil encontrou seu caminho ou ainda olhamos muito para fora do país?
Rita Comparato – Acho que sempre teremos as duas pontas: os que criam e aqueles que copiam, faz parte do ciclo natural.

Compartilhe: