Moda, mundo digital e os novos caminhos da Casa de Criadores por Mario Viana, da M360!

A parceria entre Mario Viana, da M360, e a Casa de Criadores vem de longe, e segue rendendo ótimos resultados. Agitador cultural, empresário da moda e do tipo que ataca em diferentes frentes, Mario Viana fala abaixo sobre sua plataforma de branding, as aventuras que viveu na moda na época do boom da música eletrônica e da moda nacional, nos anos 90, e sobre seus novos projetos, incluindo as ações em torno dos workshops da Casa de Criadores e, claro, do evento em si, que se renova a cada ano sem nunca deixar de colocar no mercado os novos expoentes da moda nacional. Confira a entrevista!

Casa de Criadores – Qual o posicionamento da sua agência em relação à Casa de Criadores?
Mario Viana – “Não somos uma agência, não usamos essa palavra. E também não produzimos conteúdo. Ajudamos a contar histórias. Se as marcas querem entender como contar uma história autêntica em todas as plataformas e com escala, então podemos ajudar.  A relação com a Casa de Criadores sempre foi sobre contar uma história, dar um contributo positivo e interessante para a cultura de moda e fazer tudo isso através da lente de uma marca. A M360 nasceu para falar em branding e tem como negócio principal a consultoria e o planejamento de marketing. Também tem como objetivo estimular uma nova cultura de consumo de moda, aproximar a Indústria dos novos talentos e indicar novas possibilidades para o varejo de moda. A Casa de Criadores é uma grande plataforma para todas essas coisas. Começou em 1999 a minha relação com o Andre Hidalgo. Antes eu havia ocupado o cargo de diretor da Lectra Systèmes, empresa que ajudei a implantar no Brasil. O meu contrato de expatriado tinha terminado e eu teria de voltar para a França. Talvez fosse ocupar um cargo importante em Paris, mas eu não queria deixar o Brasil. Trabalhei então dois anos com o Jean Michel Signoles, hoje proprietário da GOYARD, e na sequencia tive uma experiência com a Colcci, antes da marca ser vendida para a AMC. Naquela época eu já tinha a noção de que muitas vezes é melhor comprar uma marca que tenha um mínimo de reconhecimento e um público consumidor, por menor que seja, do que tentar criar uma marca partindo do zero. Uma marca é uma história. E uma história não se inventa. A Erika Palomino escrevia então na ‘Noite Ilustrada’, e um dia eu li na sua coluna na ‘Folha de S. Paulo’: ‘quem é fã já pode comprar a jaqueta que a Slam fez para o Dj Mau Mau’. Foi esta notícia que me inspirou. Percebi que ali tinha uma grande história para contar.  Reunimos um grupo de Marcas que desfilavam no evento e inauguramos um showroom na Vila Olímpia para atender multimarcas espalhadas pelo país (pense em marcas como SLAM, A Mulher do Padre, V.ROM, etc).  Em 1999 vivíamos o início da expansão da cultura de música eletrônica e por isso resolvemos criar um cyber café em parceria com a Revista Onspeed, onde aconteciam semanalmente happy hours com Djs famosos e Djs iniciantes. Este espaço inédito movimentava público formador de opinião e funcionava como ponto de encontro de consumidores da marca e amantes de música eletrônica. Ali criamos também a Smartbiz, que mais tarde se tornaria a principal agência de DJs do país, reunindo nomes como Renato Lopes e Mau Mau. Para alavancar a distribuição, e em função da dificuldade para encontrar pontos de venda que pudessem reunir publico alvo das Marcas, criamos A LOJA.COM que chegou a 14 unidades em apenas 12 meses. Uma rede de Lojas que divulgava integrantes da Casa de Criadores e intitulava-se a Loja oficial da Semana de Moda – Casa de Criadores. Desde então, temos desenvolvido projetos aproximando estilistas da indústria, seja em projetos de colaboração com coleções cápsula ou mesmo indicando estilistas para assumirem posições na indústria e no varejo de moda. Temos feito projetos com várias empresas, entre as quais devo destacar o Grupo Lunelli, que tem se destacado justamente por entender que a obrigação do líder da industria é apoiar novos talentos. O Denis Lunelli, presidente do Grupo, tem sido o grande responsável por este movimento que valoriza o trabalho do estilista, contratando diretores criativos para as suas marcas (Lez a Lez, Lunender e Hangar 33). Este comportamento me parece ser inédito na industria brasileira, onde predominam exemplos contrários…”

Casa de Criadores – Qual sua avaliação sobre a Casa de Criadores e na formação de uma identidade de moda nacional?
Mario Viana – “A Casa de Criadores é um evento consolidado no mercado há 20 anos, com histórico de lançar nomes importantes na moda brasileira (lembro da Juliana Jabour, João Pimenta, André Lima, do Jum Nakao, Mario Queiroz, e até mesmo a Cavalera, entre outros) e mais recentemente nomes que ganharam destaque na mídia, como por exemplo a Cotton Project, o Fernando Cozendey e o próprio Emicida, que iniciou a sua trajetória com moda justamente na Casa de Criadores. O evento tem clipagem avaliada em cerca de R$ 23 milhões de mídia espontânea a cada edição e redes sociais com mais de 500 mil seguidores (entre facebook, google +, instagram e twitter); é reconhecido pela imprensa e mantém contato direto com público formador de opinião de moda, além de mobilizar uma parcela importante dos profissionais mais celebrados no mercado brasileiro. Para patrocinadores, além das oportunidades geradas com associação de marca e relacionamento com este público, o evento funciona também como plataforma para lançamento de produtos e coleções. Por estimular a moda autoral, tem com certeza uma importância determinante na formação de uma identidade de moda nacional mas, sobretudo, contribui na criação de uma cultura de consumo de moda, estimulando assim o mercado como uma todo. Por isso é tão importante o entendimento por parte da indústria e do varejo que os eventos de moda são agentes que ajudam na consolidação do mercado. Pense como são pouco os eventos de moda, se comparamos com outras áreas de interesse da indústria de vestuário e de calçados, como o esportivo por exemplo. Veja a quantidade de eventos que falam sobre esporte e -curiosamente – muitos se apropriam das melhores histórias que o mercado de moda poderia produzir.”

tres

Denis Lunelli, André Hidalgo e Mario Viana: de olho nos jovens talentos! || Créditos: Divulgação

Casa de Criadores – Conte um pouco sobre a M360, desde a criação até os clientes que possui hoje.
Mario Viana – “Nas indústrias de moda e de luxo, vender um estilo de vida, explorando as aspirações e os sonhos dos consumidores, pode ser uma motivação para comprar tão significativa quanto a qualidade e a inovação do produto. Como resultado, o marketing tem se tornado um pilar fundamental de qualquer negócio moderno de moda ou luxo. Antes, o marketing era focado em mídia impressa e transmissões unilaterais feitas por uma marca, mas hoje procura-se criar um diálogo entre a marca e o consumidor. A transformação digital trouxe para as empresas uma necessidade permanente de adaptação. Todas as empresas sabem que precisam avançar para o digital, mas muitas não sabem exatamente onde e quando investir. E sabemos que a indecisão é um risco para qualquer empresaPor outro lado, é fundamental entregar consistência e coerência em todos os pontos de contato entre a marca e o consumidor. No fragmentado mundo digital de hoje – e dada a multiplicidade de plataformas onde a marca precisa estar presente – a prioridade absoluta de qualquer empresa deve ser sobre a implementação de uma estratégia de conteúdo com curadoria consistente. Na M360, apoiamos os clientes no planejamento e na gestão estratégica das suas marcas. Desenvolvemos ideias práticas e personalizadas e promovemos a transferência de habilidades que -sabemos – fazem a diferença. Acreditamos que uma empresa de consultoria deve fazer mais do que apenas dar conselho. Então nós nos colocamos no lugar dos nossos clientes, vendemos resultados e não apenas projetos. Temos a habilidade necessária para engajar as pessoas e promover a transformação digital, estimular o uso inteligente das informações para desenvolver ferramentas de entendimento do cliente e antecipar desejos dos consumidores para otimizar o engajamento e a experiência de marca.”

Casa de Criadores – Você, sendo de um país europeu, como avalia a moda brasileira e quais seus desafios para se mostrar melhor no mundo?
Mario Viana – “Todos sabem que a moda, para consumidores finais, responde a alguns impulsos muito básicos, quase primitivos. As roupas são uma maneira de definir e comunicar nossas identidades e afiliações tribais através de sistemas de sinais, que outros podem reconhecer. Por um lado, é sobre diferenciação. Por outro, é sobre um sentimento de pertencimento. A moda joga com ideias conflitantes de individualismo e conformidade. Tribalismo cria exclusividade: você quer pertencer a uma tribo – você pode pagar as roupas e/ou entender a estética – ou não. Essa é a magia, e o que torna tudo isso tão relevante até aos dias de hoje. E esta dinâmica acontece agora de forma REAL quando estilistas se fazem acessíveis nas mídias sociais. Uma tribo precisa de um líder. E as tribos da moda colocam neste papel o estilista ou o diretor criativo de uma marca. Também é bom para as vendas. O guru diz a seus seguidores o que é ‘legal’ e o que não é. Por tudo isto, a moda brasileira precisa apoiar os seus talentos, os criadores de moda, porque são eles que irão criar o que ‘poderíamos’ chamar de moda brasileira. E neste quesito, não podemos misturar tudo isso com as questões comerciais que as empresas também precisam enfrentar. Acredito que a responsabilidade dos lideres da indústria é apoiar novos talentos, novos estilistas e designers. Só assim a moda brasileira irá conquistar seu espaço no mercado de moda mundial.”

Casa de Criadores – E sobre os workshops da Casa de Criadores, conte pra gente do que se trata e como vão funcionar.
Mario Viana – “Queremos incentivar jovens a criar os seus próprios negócios e esperamos provocar impacto ao estimular a formar suas empresas, marcas e opiniões. De certa forma, podemos afirmar que a Casa de Criadores acrescenta à sua vocação de berço da moda brasileira, a missão de apoiar a capacitação de jovens empreendedores de moda, oferecendo conhecimento e criando oportunidades para a construção de novos negócios de moda. Começamos no início do ano passado com um workshop para os estilistas que já desfilam na Casa de Criadores. Hoje realizamos regularmente workshops convidando palestrantes reconhecidos pela sua atuação no segmento e apresentação de conteúdo de interesse específico de estilistas, estudantes e profissionais de moda em inicio de carreira. Também estamos atentos à evolução tecnológica. Num mercado ferozmente competitivo, a moda evolui como a tecnologia evolui, e com uma juventude inspirada para criar. Jovens que acreditam que efetivamente estão à frente do seu tempo. Acreditamos que a tecnologia irá sem dúvida levar o homem ao futuro, e a moda pode evoluir em harmonia com a tecnologia. Por exemplo, o sonho da criação de um produto que não irá vender através dos canais tradicionais se concretiza com o uso da tecnologia.”

Casa de Criadores – Fale também sobre o site e sobre mídias sociais, a importância e os novos desafios.
Mario Viana – “Este é um assunto importante. Antes uma marca poderia usar suas campanhas de marketing para apresentar uma mensagem coerente, mas hoje a ascensão meteórica das mídias sociais força as empresas a reavaliar como interagem no Instagram, no Snapchat etc. Isso inclui encontrar novas maneiras de envolver-se com os seguidores da marca, por meio de interações digitais regulares na mídia social ou oferecendo extras como por exemplo imagens dos ‘bastidores da marca’, desfiles de moda ou sessões de fotos. A Casa de Criadores faz parte de tudo isto. A coisa maravilhosa sobre o impacto das redes sociais é que escala e segmentação trabalham muito bem juntas. Com a tecnologia de hoje, as marcas podem mais facilmente contar histórias diferentes para públicos diferentes. Quando uma Marca quer apelar a todos, é muito difícil alcançar uma massa crítica nas redes sociais. Mas quando a Marca tem opinião, quando defende algo, quando faz uma diferença — é quando a Marca realmente ganha alguma luz nas redes sociais e nas comunidades individuais que vivem online. A Casa de Criadores tem um público próprio, formador de opinião e as redes sociais permitem falar diretamente com esse publico. A CASA DE CRIADORES foi pioneira no modelo de negócio SEE NOW BUY NOW há três edições, em projeto com o e-commerce. Passarela.com. Imediatamente após os desfiles, algumas peças de estilistas foram disponibilizadas para compra online no e-commerce.  Hoje, nosso site funciona como um blog que oferece conteúdo sobre mercado de moda e comportamento jovem. Vídeos de Moda e campanhas com novos estilistas são mostrados em todos os canais digitais. Patrocinadores da Casa de Criadores ganham posts criando relacionamento direto com o universo da nova moda brasileira.”

Compartilhe: