Cansou das lavadas na Copa do Mundo? Nosso roteiro é para curtir o domingo com muita arte!

Depois de levar 7 gols da Alemanha na última Copa do Mundo, e com tanta pilantragem na política atual, o brasileiro parece ter tomado um certo bode do “verde-amarelo” e só de pensar na aflição toda com os jogos do Brasil dá vontade de largar a vuvuzela e curtir o silêncio dos museus. Casa de Criadores está nessa vibe e indica no roteiro desta semana alguns programas culturais para quem não quer ver o Brasil entrar em campo. Lembrando que a Copa do Mundo Rússia está aberta e o Brasil das desilusões sem fim entra em campo no domingo contra a Suíça, às 15h, na Rostov Arena, em Rostov on Don.

Exposição Experimentando Le Corbusier

O Museu da Casa Brasileira inaugura neste sábado, às 14h00, a exposição ‘Experimentando Le Corbusier – Interpretações contemporâneas do modernismo’. A curadoria é de Pierre Colnet e Hadrien Lelong, da Cremme – Editora de Mobiliário, via Instituto Cremme, associação que atua nas esferas social, educacional e artística por meio da promoção de atividades de fomento à cultura. Na mostra, o pensamento de Le Corbusier para além da arquitetura, apresentando uma reflexão sobre o modernismo no Brasil e sobre o trabalho do arquiteto franco-suíço. Artistas, designers e arquitetos brasileiros foram convidados para manter vivo o pensamento revolucionário de Le Corbusier.

Entrada gratuita
Av. Faria Lima, 2705 – Jardim Paulistano
Tel.: (11) 3032-3727
Próximo a estação Faria Lima do metrô – Linha Amarela

Mistério, terror e suspense no 22º Cultura Inglesa Festival

Os fãs de histórias de mistério, terror e suspense britânicos tem no domingo a última chance de conferir uma exposição interativa sobre o tema no 22º Cultura Inglesa Festival. Lembrando que o Arquivo Multimeios do espaço contém 900 mil documentos de artes visuais, arquitetura, artes gráficas e outros assuntos. A Biblioteca Alfredo Volpi é uma das mais abrangentes em artes plásticas da cidade.

Exposição GREAT BRITISH MYSTERIES
Grátis
Centro Cultural São Paulo
Rua Vergueiro, 1000
tel.: (11) 3397 4002

MASP B3 — BRASIL, BOLSA, BALCÃO
A exposição apresenta 25 obras de 17 artistas cedidas no comodato MASP B3 — BRASIL, BOLSA, BALCÃO, em homenagem aos ex-conselheiros da BM&F e BOVESPA, por um período de 30 anos. Nela,  obras que abrangem um período de cerca de cem anos de arte brasileira, a começar pelo século 19. No conjunto, artistas como Benedito Calixto (1853-1927) e Antonio Parreiras (1860-1937). Do modernismo brasileiro, obras de Alberto da Veiga Guignard (1869-1962), José Pancetti (1902-1958), Emiliano Di Cavalcanti (1897-1976), Candido Portinari (1903-1962) e Anita Malfatti (1889-1964). A mostra também inclui trabalhos de Antonio Bandeira (1922-1967), Lygia Clark (1920-1988), Maria Leontina (1917-1984), Ione Saldanha (1919-2001) e Ranchinho (1923-2003). No segundo andar do museu, tá?

Sergio Rodrigues no Itaú Cultural

A mostra apresenta 500 itens, entre peças de mobiliário, plantas, fotos e documentos do criador da poltrona Mole e um dos mais renomados designers brasileiros. Sergio Rodrigues (1927-2014) tem 500 de suas obras expostas na mostra “Ser Estar, Sergio Rodrigues”, ocupando três andares do Itaú Cultural. “O objetivo é acompanhar a trajetória de Rodrigues, exibindo desde produtos criados na infância, como carros e aviões de brinquedo, até suas últimas produções mobiliárias, lançadas pouco antes de sua morte. A curadoria é compartilhada entre Daniela Thomas, Mari Stockler, Felipe Tassara e Fernando Mendes”, diz o site da instituição. Acompanham as obras textos explicativos de Rodrigues retirados de entrevistas e palestras conduzidas ao longo dos seus 60 anos de carreira.

Av. Paulista, 149, Bela Vista
tel. 2168-1777
GRÁTIS

Muita arte na Pinacoteca de São Paulo

Dar aquele role na Pinacoteca tira qualquer um do lugar comum e por lá estão em cartaz as mostras “Minimo, Múltiplo, Comum”, que coloca em pauta as definições de arte moderna, popular e contemporânea. São 70 anos de produção pictórica no país. Tem ainda a retrospectiva do artista paraense Emmanuel Nassar (Capanema, PA, 1949), uma seleção de obras de arte colonial da coleção da Fundação Nemirovsky, um vídeo de Rosangela Rennó, um conjunto de trabalhos recentes da artista Ana Dias Batista e pinturas do paulista José Antonio da Silva. Ah, e a melhor de todas: “Hilma af Klint: Mundos Possíveis”, primeira exposição do calendário de 2018 e um dos grandes destaques do ano.  A pintora sueca Hilma af Klint (1862-1944) vem sendo reconhecido como pioneira no campo da arte abstrata e passou despercebido durante grande parte do século 20. Saiba mais aqui.

Absurdos no Instituto Tomie Ohtake

Em sua segunda edição, o Arte Atual Festival 2018 marca a participação do Instituto Tomie Ohtake no Festival Path. Aqui, a ideia é reforçar o caráter experimental com jovens artistas. Com curadoria de Paulo Miyada e sua equipe do Núcleo de Pesquisa e Curadoria da instituição, criou-se um conceito “matemático de prova por contradição ou redução ao absurdo. Trata-se de um recurso matemático para comprovar que algo é falso pela confirmação da veracidade de seu contrário”, diz o site do museu. Alexandre Copês, Arthur Chaves, Carina Levitan, Carolina Caliento, Guilherme Peters, Paul Setubal e Pedro Hórak são os artistas convidados. Para saber mais, entre no site do Instituto Tomie Ohtake.

Compartilhe: