A estreia de Ken-gá na CdC foi à base de empoderamento, fervo e divas inspiração!

“Quando se pensa em glamour, imagens quase inacessíveis vêm à mente, seja com um padrão de beleza inalcançável, lugares de exclusividade extrema ou ainda um consumo de luxo para pouquíssimos mortais. A Ken-gá se posiciona no mercado de forma a romper com tudo isso e transformar em diva quem bem entender e desejar! E são elas, as divas, que permeiam o caminho de inspirações da marca. De Grace Jones a Rihanna, seus nomes são encontrados em peças vibrantes que vão do biquíni ao macacão, sempre confeccionados com tecidos que transmitam exuberância e brilho. Muitos dos tecidos demoram até 40 dias para ficarem prontos, já que uma das premissas da Ken-gá é ter um guarda roupa que transite da cidade à praia não importando a estação, apenas o mood e estilo de seu consumidor. A marca também se posiciona politicamente, não só na plataforma de apoio ao poder feminino, mas também ao imprimir brincos com frases ‘fora temer’, ‘preta’, ‘sai machista’, que aparecerem nos looks das cantoras Pitty, Valesca Popozuda, Liniker e a apresentadora Titi Muller”, explica Lívia Barros, mente criativa da marca!

Ao lado dela para criar essa moda beachwear (ou bitchwear) empoderada está Janaina Azevedo. E é bom dizer que o nome Ken-gá vem do termo quenga, um trocadilho que faz pensar sobre rótulos que muitas mulheres têm no Brasil de forma discriminatória. “A Ken-gá é uma marca empoderadora que quer subverter rótulos e estigmas, uma marca em que todx podem ser maravilhosx”, completa Livia, que conversou com este site semanas atrás.

A trilha sonora foi assinada por Pejota Fernandes e Janaina Azevedo. Confira!

 

Compartilhe: