Nem só de #EleNão vive o findis. No roteiro, Marcello Grassmann, Scandurra, Teatro Oficina e mais…

Parece que está todo mundo guardando fôlego e garganta pra gritar #Elenão neste sábado no Largo da Batata, mas isso não impede de curtir outros programas no fim de semana, que de preferência saiam do âmbito da política e que nos façam desligar um pouco das redes sociais. (na imagem acima, arte de Marcello Grassmann).

Nesta sexta, dia 28, tem Edgard Scandurra no Sesc Pompeia, das 21h30 às 22h30. O guitarrista e compositor do Ira! revisita seu primeiro álbum solo, “Amigos Invisíveis” (1989), acompanhado por Taciana Barros, Fábio Golfetti, Daniel Scandurra e Rodrigo Saldanha. Local: Comedoria do SESC Pompéia, na Rua Clélia, 93, Ingressos de R$ 9 a R$ 30. Mais, aqui. Abertura da casa: 20h.

Também nesta sexta tem o Festival Roda Viva ! Levante cultural celebra 60 anos d Oficina, das 19h às 22h no Teatro Oficina Uzona Uzyna, do nosso ilustre Zé Celso. Ingressos aqui. Não dá hoje? Tem sábado (19h à meia-noite) e domingo (14h às 22h). “O festival é um gesto cosmopolítico de alianças pelo Teat(r)o Oficina que celebra 60 anos em outubro, e está a perigo. Fazemos junts este 1º levante pela cultura pra arrecadar fundos pra continuarmos existindo em plena potência, y através de nós, tants outrs, movimentos políticos, de arte, de vida, de cultura, que passaram y continuam a passar pelo Teat(r)o Oficina – terreyra aberta! VIVA a força desse 1º cardume d artistas q cria com o tyazo do Teatro Oficina y Casa 1, um cordão de tesão y proteção! Festival RODA VIVA é um gesto de insurreição contra o avanço fascista que asfixia os corpos, a vida y a liberdade; é uma ação contra o sucateamento da cultura, da ciência y do pensamento”, continua o texto. Estarão lá Ana Cañas, Ava Rocha, Iara Rennó, Juliana Perdigão, Mariana de Moraes part. Zé Manoel, Pensanuvem, Aghata Saan, Paulet Lindacelva, Craca, Dani Nega, Tulipa Ruiz, Luiza Lian, Ana Frango Elétrico, Tim Bernardes, Abacaxepa, Akin/Non exist, Trepanado  e Vincenzo

Ingressos
R$ 60 preço único / dia
R$ 150,00 pacote 3 dias
Local: rua jaceguai, 520, Bixiga-SP
Fone: 11 31062818

Começa nesta sexta também a exposição Imersão, organizado pelo Núcleo – Coletivo das Artes. Hoje, sábado e domingo a partir das 17h na Matilha Cultural, R. Rêgo Freitas, 542. “Após uma longa pesquisa, na qual inclui duas viagens ao Parque Indígena do Xingu, o artista afro-indígena Lumumba realiza em Imersão um trabalho utilizando apenas pigmentos naturais. A curadoria da  exposição é de João Carlos Villela e produção de Rita Teles. As obras foram realizadas na aldeia Kamaiurá Ipavu, no alto Xingu, durante a semana do Kuarup. Lumumba é mineiro, descendente de congoleses, guaranis e morador do centro de São Paulo. Bisneto de indígena da etnia Puri-Guarani, da serra do Caparaó”, diz o convite. Juntamente com a exposição Imersão, a Matilha Cultural recebe a visita de uma família Kamaiurá. São vários encontros, com atividades diversas. Mais aqui.

Pronto, sábado, e depois de afastar a zica, confira a Lambes na Laje #8. Organizado por Red Bull Station e Lambes na Laje. O espaço fica na Praça da Bandeira, 137. “Em setembro, o Red Bull Station recebe a 8ª edição do Lambes na Laje, com curadoria de Nancy Betts e realização da Mova Produtora. Tem como principal objetivo explorar o formato lambe-lambe – tipo de cartaz utilizado para transmitir avisos públicos ou propagandas que, nos últimos anos, consagrou-se como um meio de intervenção urbana e artística. Além da tradicional feira com mais de 80 artistas vendendo seus trabalhos, o Lambes na Laje receberá oficinas abertas de produção de lambes – ministrada pela Gráfica Fábrica –, exibição de filme, workshop e feirinha de comidas com convidados especiais, comandada pelo Coletivo P.U.R.A”, diz o convite. Inscreva-se gratuitamente.

Mais uma do sábado: a exposição “Arte tem gênero?”, que vai até 14/10 no CCSP. Organizado pela Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e Centro Cultural São Paulo. Das 10h às 18h. O Centro Cultural São Paulo fica na Rua Vergueiro, 1000. Grátis. No cartaz, mais detalhes…

Curte grafitar até dizer chega? Sábado também rola O Muro de Fora: Graffiti e Pichação em São Paulo, organizado por Choque Cultural. A partir das 14hs na Rua Medeiros de Albuquerque, 250. Ingressos · R$ 50. Pague no evento. O Muro de Fora: Graffiti e Pichação em São Paulo conta com o professor Pedro Moreira (foto abaixo), mestre em filosofia pela Universidade de São Paulo (onde desenvolveu uma pesquisa sobre graffiti e pichação paulistana entre 2014 e 2018 sob orientação do Prof. Dr. Leon Kossovitch). “O curso pretende apresentar uma visão geral da produção de graffiti e pichação em São Paulo da década de 1970 até hoje em dia, a fim de ajudar o aluno a identificar os principais grupos que se formaram durante esse período. Também será mostrado o processo da transformação desses artistas, de praticantes de uma tradição até o desenvolvimento de um trabalho pessoal, momento no qual os grafiteiros começam a quebrar com as regras do Graffiti Internacional”, diz o convite. São vários encontros, beeem legal.

E no domingo… tem Xilomóvel na Semana Grassmann, organizado também  Núcleo de Estudos Marcello Grassmann, das 10h às 13h na Praça Rotary Rua General Jatdim. Pra tentar entender: vai rolar oficina de impressão de clichês na praça! Grátis, e não é necessário fazer inscrição. Livre para todas as idades. “A oficina faz parte da XXVI Semana Cultural Marcelo Grassmann. O Xilomóvel criou clichês especiais em homenagem a esse grande mestre! Venham prestigiar, tragam a família”, diz o convite sobre o desenhista, artista plástico e gravurista brasileiro referência nas artes.

 

 

 

Compartilhe: